Skip links

Bullying na infância e adolescência: como prevenir

Hoje, 07 de abril, comemoramos o Dia Nacional do Combate ao bullying em memória às vítimas do massacre na escola de Realengo (2011) e não podíamos deixar de falar sobre a importância do cuidado com nossas crianças e adolescentes!

O bullying é um conjunto de ações ou palavras repetidas por um agressor (bully) contra a vítima, alguém impossibilitado de se defender (bully-victims). É um tema discutido desde os anos 70 no mundo, mas no Brasil, ainda estamos começando.

Não podemos dar uma única explicação para a violência praticada por crianças e adolescentes, mas nesse momento, queremos enfatizar a responsabilidade que temos no processo de educação de nossos filhos.

E vamos falar de único ponto: a prática de ensinar as crianças a pagarem na mesma moeda quando são provocadas ou agredidas.

Desde pequenos, somos estimulados a “não levar desaforo para casa”, “dar o troco” e transmitimos essa filosofia para os mais jovens! Ainda que hoje se fale em tolerância, empatia e cultura de paz, continuamos ensinando que a vida é “olho por olho e dente por dente”.

Mas, nem sempre isso funciona! Aliás, não funciona!

Na melhor das intenções, o que fazemos é reforçar a ideia de que vence o mais forte, e que para vencer é necessário diminuir o outro. E acabamos fortalecendo a hostilidade, intolerância e violência praticadas no bullying.

Se a criança não consegue se defender na mesma medida da agressão que recebe, então ela começa a achar que realmente é fraca, incapaz de resolver problemas e vai desenvolvendo uma percepção distorcida de si mesma.

Se ela consegue reagir na mesma medida da agressão que sofreu, começa a aprender que atributos como força física e hostilidade são necessários para pessoas ditas “valentes”.

Deste modo, a intolerância, a impulsividade e violência vão se naturalizando num ciclo interminável agressor-vítima-agressor-vítima.

Então, meus queridos, o convite é para revermos nossas referências e cuidarmos uns dos outros em amor.

E aí fica uma questão intrigante…

Por que o adolescente que faz bullying precisa desse lugar de poder para se afirmar sobre o outro? Por que ele precisa agredir para existir?

O que temos visto entre crianças e adolescentes que agridem seus colegas é que já se tornaram agressores de si mesmos. Na incapacidade de se reconhecerem, anulam também o outro. Muitas vezes, por trás de um adolescente que pratica bullying, vemos um ser humano atordoado, incapaz de lidar com os seus próprios sentimentos e emoções.

Então, do que mesmo podemos cuidar para prevenir a violência nas escolas entre crianças e adolescentes que sofrem bullying? Ensiná-los a cerrarem o punho e devolverem na mesma medida aquilo que sofrem?

Por isso, ninguém pode ficar de fora. Agressores e vítimas devem ser convidados à reflexão sobre o autocuidado e reconhecimento das próprias emoções e atitudes. Porque, quando há desrespeito com outro, significa que o desrespeito consigo mesmo já passou longe faz tempo.

Para proteger nossas crianças e adolescentes do bullying, podemos começar e estimular gestos simples como escutar, pedir desculpas, compartilhar e SEMPRE permitir que as crianças expressem suas opiniões e diferenças, SEMPRE permitir que elas expressem e falem sobre sentimentos, medos e conflitos, sem considera-las fracas ou inadequadas.

Bom domingo!

Etiene

 

 

Deixe um comentário

Name*

Website

Comentário