Plin - Psicologia Infantojuvenil. Site especializado em conteúdo psicológico para crianças e adolescentes

O que fazer com os ciúmes quando chega o novo irmão?

O que fazer com os ciúmes quando chega o novo irmão?
por Etiene Macedo

Uma queixa comum quando o segundo filho chega é a mudança de comportamento do irmão mais velho.

Birras aumentam, comportamentos infantilizados, mau-humor e a criança pode começar a fazer pequenas “pirraças” ou dar respostas negativas que deixam as mães com os nervos à flor da pele.

Isso varia muito de acordo com a idade. Os menores, por exemplo, apesar de ganharem um amigão ou amigona, podem dar um trabalhinho extra na hora que a mãe precisa multiplicar-se em mais de duas para dar conta de tanta coisa ao mesmo tempo.

Como ajudar esses pequenos?

Ainda que seja difícil separe um tempo exclusivo para o mais velho, para fazer junto com ele, atividades prazerosas para ele.

Inclua o mais velho no cuidado do bebê e destaque sua habilidade de compartilhar e não o estado de dependência do bebê. Até por volta dos 4 anos, a criança ainda é egocêntrica e precisa ter garantias no seu ambiente de que ele é a “prioridade”.

♥ Não compare. A comparação maltrata. Destaque o que cada um tem de especial e singular, já começando a afirmar essa individualidade e diferença.

Incentive atividades cooperativas em que a criança possa considerar a presença do bebê e interagir com ele como dançar juntos, montar algo simples.

Separe o seu tempo de descanso, porque para uma mãe cansada é mais difícil ainda mediar as confusões do dia a dia, que são absolutamente normais entre irmãos.

Veja um horário para fazer algo para você, para cuidar do seu bem-estar. Quando você se acolhe, se considera, você consegue oferecer melhor suporte para sua criança em dificuldade nessa relação eu-outro.

 

Você pode continuar lendo mais sobre isso aqui.

Beijo carinhoso

Etiene

Etiene Macedo Psicóloga com mestrado e doutorado em Psicologia Clínica (UnB). Especialista em Terapia de Casais e Famílias (PUCGO). Professora universitária. Sócia e colunista do Plin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *