Plin - Psicologia Infantojuvenil. Site especializado em conteúdo psicológico para crianças e adolescentes

Limites com amor para os filhos e para os pais

Limites com amor para os filhos e para os pais
por Flávia Lacerda

Todos nós precisamos de limites. Eles oferecem a compreensão de até onde podemos ir, demarcam o que é ou não possível realizar. Quando colocados com amorosidade, conseguimos encontrar um equilíbrio, muitas vezes sutil, entre ocupar um papel de autoridade e não ferir a liberdade do outro. Na relação pais e filhos, esse “outro” é um ser que depende de nós, depende do nosso modelo e amor, mas que também precisa exercer sua liberdade e autonomia. Liberdade essa que não significa poder fazer o que quiser e quando desejar, mas sim a que é constituída a partir de limites que respeitam o direito de si mesmo e do outro.

Nesse sentido, pensar em limites com amor para os filhos significa estabelecer regras justas, consistentes e apropriadas à idade dele. No nosso texto sobre  quando você pode dizer sim e sabe dizer não, colocamos várias dicas e reflexões sobre como criar um ambiente mais amoroso e menos permissivo. Clique aqui!

Mas e nós, pais e cuidadores? Pensamos tanto em formas de disciplinar as crianças e adolescentes e esquecemos que nós mesmos precisamos colocar alguns limites em nossas vidas.  Muitas vezes sobrecarregados, tão envolvidos com os cuidados dos filhos e da profissão, acabamos esquecendo de pensar nas próprias necessidades. E não pensar nisso, influencia diretamente na nossa forma de educar e interagir com os filhos.

Se não estamos bem, as regras podem se tornar inconsistentes, guiadas pelo nosso estado emocional. Ao ficarmos expostos à situações de muito estresse e tensão, podemos aplicar regras e consequências com maior dureza, intolerância ou até mesmo flexibilizarmos demais. Dessa forma, criamos uma atmosfera conflituosa na relação com os filhos e ensinamos indiretamente que quando estamos com raiva, temos o direito de “descontar” nossa insatisfação no outro, com ofensas, gritos. Ficamos em extremos, da agressão à negligência.

Por isso, coloque limites com amorosidade em sua vida! Cuidar de si mesmo é também cuidar dos seus!

 

Um abraço carinhoso,

Flávia

Flávia Lacerda Psicóloga. Mestre em Psicologia (UnB). Facilitadora do Programa Friends for Life - Pathways Health and Research Center. Pós-graduanda Terapia de Casais e Famílias (PUCGO). Sócia e colunista do Plin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *