Plin - Psicologia Infantojuvenil. Site especializado em conteúdo psicológico para crianças e adolescentes

Relacionamento com os avós

Relacionamento com os avós
por Etiene Macedo

Vivemos tempos diferentes (será?). As famílias se organizam de todos os jeitos e do jeito que dá. Entre tantos modelos, há uma figura muito importante na transmissão dos valores, do modo de vida familiar: a figura das avós e dos avôs.

Seu papel numa família vai muito além do apoio no cuidado e proteção no dia a dia.  O convívio com os avós ajuda a criança a construir a própria história.

Para os avôs e avós, conviver com os netos é a chance de reviver momentos, recontar histórias de outro tempo e transmitir suas memórias. Para os netos e netas, é a oportunidade de aprender sobre suas origens, seu passado e sua história, contada numa versão diferente da que é percebida pela mãe e pelo pai.

Mas algumas famílias vivem conflitos quando o assunto é o relacionamento entre avós e netos. Quais são os limites dos papéis de mãe, pai, avô e avó? O que fazer quando a relação dos pais com os avós é conflituosa, sejam eles pais, mães ou sogros e sogras?

Encontrar um equilíbrio para que essa relação seja respeitosa e benéfica para todos não é fácil. De um lado, os pais tentam mostrar (e até impor) sua autoridade, confrontados pelo dever social de educar. De outro, os avós revivem a experiência de exercer autoridade, numa relação lúdica com os netos e netas, sem a pressão do dever de acertar e mais livres para se relacionarem afetivamente com os pequenos.

Aceitar que avós e netos construam um bom relacionamento é um desafio para os pais. Significa aceitar sua própria história e sua herança, incluindo o que deu certo e também os erros na educação que receberam.

Os avós contribuem para que pais e mães desenvolvam seu papel parental, seja para dar  continuidade ao que aprenderam, seja para se distanciar de  modelos que não mais se ajustam à dinâmica da família atual. Quando a negociação desses limites entre as famílias acontece de forma pacífica, amorosa, quando há espaço para o diálogo e definição das funções de cada um, se torna mais fácil para pais e avós desenvolverem papéis complementares no desafio de educar.

No final, todos ganham: adultos e crianças. Pais, filhos e avós vão recriando maneiras de se conectar e fortalecer os vínculos. De vários jeitos. Isso é família. Isso é amor.

Com muito carinho e saudade dos meus tempos de criança,

Etiene

Etiene Macedo Psicóloga com mestrado e doutorado em Psicologia Clínica (UnB). Especialista em Terapia de Casais e Famílias (PUCGO). Professora universitária. Sócia e colunista do Plin.

2 comentários para “Relacionamento com os avós”

  1. Márcia Guimarães disse:

    Concordo plenamente com o artigo. Os avós tem que somar na educação,valores,principios de nossos netos para que eles se tornem adultos íntegros .

    1. Etiene Macedo disse:

      É isso mesmo! Avós são preciosos para a formação de nossas crianças e adolescentes.

      Um abraço carinhoso,

      Etiene e Flávia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *